segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Sentimento bandido de amar


A palavra amor (do latim amor) presta-se a múltiplos significados na língua portuguesa. Pode significar afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, libido, etc. O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, ou com algum objeto que seja capaz de receber este comportamento amoroso e alimentar as estimulações sensoriais e psicológicas necessárias para a sua manutenção e motivação. (Fonte: Wiki)

Fora uma morte inesperada, a pior dor que existe é de um amor bandido, muito pior do que a de um amor platônico, pois neste, não esperamos ser correspondido.

Amar é uma merda! Quando tudo está bem, vivemos num limbo de alegria que parece não ter fim. Na hora da decepção, somos jogados abruptamente num abismo escuro e frio, ou numa arena lotada de expectadores à espera da refeição dos leões.

Torcer para um time de futebol é isso, devotar tudo seu amor e esperança em um time, esperando em troca no mínimo o respeito e dignidade para seus torcedores, foi o que faltou do time do Palmeiras com seus torcedores.

O Palmeiras, digo diretoria, jogadores e comissão técnica, criaram uma ilusão de que seríamos campeões, mas desafortunadamente o time mostrou-se incapaz do título e o mínimo que se esperava para o próximo ano era a vaga na Libertadores. Lembro-me bem que num dado momento do campeonato éramos líderes e o Cruzeiro estava próximo senão dentro dos 4 últimos do campeonato. No final conquistaram nossa vaga.

De acordo com a definição da Wiki, para a manutenção do amor, faz-se necessário alimentar as estimulações sensoriais e psicológicas necessárias para a sua manutenção e motivação, como o time não foi capaz de dignificar seus torcedores (inclusive nem os consumidores), provocou um desânimo em toda a sociedade palestrina, como aconteceu anteriormente com o Conrado e agora com o grande Tito.

Esse misto de amargura, vazio e decepção aliada com todas as brincadeiras/ofensas da mídia em geral, tem deixado o torcedor palmeirense irado, com ódio e sem vontade de acompanhar o time. Mas como sei que este amor é bandido e ordinário, sei que no próximo ano estarei novamente com a felicidade e alegria de ver meu time jogar, inclusive já estou com saudades de vê-lo em campo.

Faço um pedido para a diretoria:

Não quero um time de mercenários, nem ser barriga de aluguel de ninguém, prefiro ter um time mais modesto como do Flamengo, mas composto por homens (fora o rato do David), que lutem e dignifiquem o manto alviverde.

3 comentários:

Luiz Arantes disse...

Muito bom Marcelo. Você traduziu muito bem meus sentimentos e meus pensamentos. O amor tem que ser de ambas as partes, não pode ser unilateral; mas aquela turminha lá parece-me que só tem amor ao dinheiro...

Binóculo Verde disse...

Ao dinheiro e a carreira na europa... essas sao as preocupações de muitos ali.

mcachiello disse...

Muito legal o seu post, descreve o vazio e a dor que estamos sentindo ao ver nosso time do coração, nossa verdadeira paixão, ser ridicularizado pelo seus próprios jogadores (exceto Marcos e Pierre)...

Porém, desde quando o time do Flamengo é modesto? Um time que tem Adriano por si só já não é um time modesto, ainda mais um time que se deu ao luxo de ter Petkovik como reserva...Seria como termos o Edmundo no banco só para jogos especiais...

Modesto é o nosso elenco, composto de jogadores moldados para times pequenos e para serem perdedores, tais como: Cleiton Xavier, Danilo, Mauricio Ramos, Figueroa, Souza, Jumar, Sandro Silva, Ortigosa, etc...

Abs.